Quarto dia da novena

.:. Meditação para o quanto dia da novena:

Santa Rita religiosa

Viúva, Rita começa a pensar. Quem sabe surgia ali a grande oportunidade de sua vida. Não havia afastado a hipótese de um antigo desejo de doação a Deus na vida religiosa. O desejo vai tomando forma e Rita vai estudando as possibilidades de torná-lo realidade.

 

Sua idéia fixa-se no convento das agostinianas de Cássia. Cássia fica a uma distância de apenas uns cinco quilômetros de Roccaporena. A decisão de Rita de tornar-se religiosa não se trata de uma fuga. Não é o medo do mundo que vai conduzi-la ao claustro. É exclusivamente o amor. Por amor tinha seguido os caminhos mais diversos. Por amor quer entregar-se inteiramente ao serviço de Deus.

 

Quando alguém, homem ou mulher, toma a decisão de abraçar a vida religiosa, a única motivação é o amor a Cristo. Se alguém se torna religioso é para responder ao chamado de Cristo. E isto não pode ser mudado.

 

Amar a Cristo, desejar estar em comunicação com Ele, viver na expectativa de ser transformado por sua graça, colocar todo o empenho para fazer de sua vida uma imitação da vida de Jesus, esforçar-se por viver as bem-aventuranças, eis o núcleo da vida religiosa. Sem dúvida nenhuma, é com uma visão assim que Rita decide empreender seu novo caminho de consagração total a Cristo.

 

Os biógrafos da santa contam que Rita tenta uma e mais vezes a entrada no convento das agostinianas de Cássia, após a morte dos filhos. O convento não aceita a entrada de viúvas. Diante de muitas recusas, seria para desanimar. Mas Rita aceita, reza e espera. Espera e o Senhor dobra os regulamentos rígidos do convento e faz com que as freiras a aceitem na comunidade.