Sétimo dia da novena

.:. Meditação para o sétimo dia da novena:

Mortificação de Santa Rita

As imagens de Santa Rita representam-na sempre com um espinho na fronte. Sem dúvida, uma forma de mostrar como Rita procurou, durante toda a sua vida, unir-se à Paixão de Cristo.

 

Também uma forma de mostrar ao público o estilo de vida despojado e mortificado da Santa, na aceitação do sofrimento e da dor, como uma forma de completar a Paixão de Cristo.

 


Rita empreendeu uma peregrinação a Roma. Uma peregrinação naqueles tempos era uma autêntica penitência. Era feita a pé, sofrendo os rigores da caminhada, as intempéries das estações, o frio e o calor, a alimentação minguada. Os biógrafos da Santa referem-nos esta peregrinação feita por ela na celebração do jubileu no ano santo de 1450.

 

Contam-nos seu alto espírito de sacrifício e a forma como se curou a chaga de sua fronte, até o retorno ao convento, quando voltou a abrir-se.

 

Pela penitência os santos querem estabelecer o domínio sobre o corpo. Durante muitos anos ela sofreu a dor e a humilhação por causa da chaga aberta na sua fronte. Isto levou-a ao ponto de morar num quartinho, separado da comunidade. Com resignação e unindo-se ao Cristo, suportou santamente aquele sofrimento.