435 perguntas sobre a Santa Missa – parte 13

435 00 200Igreja & Doutrina
Catecismo da Santa Missa

 

Tendo por base um livro, publicado em 1975,

de um autor anônimo do século XIX,

tudo o que você gostaria de saber sobre a Santa Missa.

 

 Parte 13 - Perguntas de 121 a 130

veja também:

 

Parte 01- Perguntas de 01 a 10

Parte 02- Perguntas de 11 a 20

Parte 03- Perguntas de 21 a 30

Parte 04- Perguntas de 31 a 40

Parte 05- Perguntas de 41 a 50

Parte 06- Perguntas de 51 a 60

 ...  Parte 07- Perguntas de 61 a 70

Parte 08- Perguntas de 71 a 80

Parte 09- Perguntas de 81 a 90

Parte 10- Perguntas de 91 a 100

Parte 11- Perguntas de 101 a 110

Parte 12- Perguntas de 111 a 120


P121.
 Quais eram os sacrifícios sangrentos da lei mosaica?

R. Na lei mosaica havia os seguintes sacrifícios sangrentos:
1 – O sacrifício de latria, ou holocausto: nesta imolação a vítima era totalmente consumida no fogo, como reconhecimento do absoluto domínio de Deus, prestando-lhe, assim, o culto de latria ou de adoração e dependência;
2 – O sacrifício de impetração ou hóstias pacíficas: esta hóstia eucarística, ou impetratória, era oferecida para agradecer a Deus por todos os bens recebidos ou pedir-lhe graças, para a vida, a saúde, a paz, etc.
3 – O sacrifício de propiciação pelo pecado: instituído para expiar as faltas cometidas e obter o correspondente perdão. Era oferecido por particulares, pelos sacerdotes, ou por todo o povo; e, quando oferecido por toda a nação, como sacrifício único, além de se retirar o sangue das vítimas no Santo, sobre o altar dos perfumes e dos holocaustos, faziam-no no Santo dos Santos, como figura que o sangue de Cristo se apresentaria ao céu, abrindo-nos, assim, suas portas.
Cada uma destas oblações eram cheias de símbolos e de esperanças.

P122. Que era o Santo dos Santos?
R. Assim era denominado o local do Templo dos judeus, onde se encontravam o altar de ouro para o incenso, e a arca da aliança, toda recoberta de ouro, na qual havia uma urna de ouro que continha o maná, o bastão de Aarão, que tinha brotado, e as tábuas da aliança. Nesse local entrava somente o sumo sacerdote, uma vez por ano, levando o sangue que ele oferecia por si mesmo e pelos pecados que o povo cometera por ignorância (Heb 9, 3-7).

P123. Havia sacrifícios incruentos na Antiga Lei?
R. Sim, havia, também, os seguintes sacrifícios incruentos na Antiga Lei:
1 – A oferenda da flor de farinha, misturada ao azeite e incenso, queimada no altar dos holocaustos;
2 – O sacrifício do bode expiatório: na festa da expiação solene o povo apresentava dois bodes, embora um fosse degolado, o outro era oferecido vivo. O sacerdote impunha suas mãos na cabeça da vítima, confessava os pecados da nação, carregava-os no animal imundo e lançava-o no deserto.
3 – O sacrifício do pássaro posto em liberdade: para purificar uma casa infestada pela lepra, tomavam-se dois pássaros puros; imolava-se um num vaso cheio de água, no qual se vertia seu sangue, e, o outro, era imerso até a cabeça na água misturada com sangue, com um madeiro de cedro, hissopo e púrpura; após espargir a água, soltava-se o pássaro puro, livremente.

P124. Que significavam estes sacrifícios da lei mosaica?
R. Facilmente se compreenderá que todas estes sacrifícios e cerimônias da lei mosaica eram figuras vivas do sacrifício de Jesus Cristo e dos frutos que deles resultariam aos homens para sua salvação.

P125. Que méritos havia naquelas oferendas imperfeitas?
R. Embora imperfeitas, todo o mérito daquelas oferendas se baseava na obediência à ordem divina que as havia prescrito, e na fé e nas disposições interiores dos que as ofereciam, principalmente na esperança de hóstia perfeita, que tira os pecados do mundo (Jo 1, 29).

P126. Como Deus sustentava a fé e a esperança do sacrifício futuro do Seu Filho em tais oblações?
R. Por meio de fortes e expressivas figuras como a do sacrifício de Isaac, de Melquisedeque, do cordeiro pascal, do bode expiatório sobre o qual se descarregavam os pecados de todos, e da ave pura, cujo sangue libertava a outra.

P127. Que papel tiveram os profetas na expectativa da futura oblação?
R. Todos os profetas solenemente anunciavam, de século em século, a grande vítima que deveria chegar, e clamavam, sem cessar, contra a impotência das hóstias representativas.

P128. Que dizia o profeta Davi sobre os sacerdotes do Antigo Testamento?
R. Nossos sacerdotes, dizia Davi, são conforme a ordem de Aarão; sucedem-se e substituem-se quando a morte os arrebata; porém virá outro pontífice que é o meu Senhor, a quem disse Deus: “Tu és sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque” (Sl 109, 4).

P129. Que disse Davi sobre os holocaustos?
R. “Escuta Israel e entende o que diz este celeste pontífice pela boca de um dos seus enviados: os holocaustos, ainda que ordenados por Vós, Senhor, não lhes são agradáveis, mas Vós me destes um corpo para Vos oferecer e eu disse: “eis que eu venho” (Sl, 39, 8).

P130. Que disse o profeta Malaquias sobre o sacrifício prometido?
R. Disse Malaquias:
1 – “A glória do segundo templo apagará o esplendor do templo erigido por Salomão” porque eu nele aparecerei para começar meu sacrifício.
2 – Finalmente, eu “não receberei mais vítimas de vossas mãos; meu nome não só será conhecido na Judéia, mas será grande entre todos os povos da terra, porque desde o “ocaso até a aurora, e em todo lugar se sacrifica e se oferece uma oblação pura em meu nome. Parece que já vejo esta oblação, e os tempos em que ela será oferecida não estão distantes (Mal 1, 10 -11).

435 01 650 

Baseado em livro de autor anônimo do Século XIX,

publicado em 1975 pela EDICIONES RIALP – Madrid,

NIHIL OBSTAT de D. José Larrabe Orbegozo, Madrid, 27 de outubro de 1975

IMPRIMA-SE: Dr. D. José Maria Martim Patino, Pro-Vigário Geral

Apresentação de Angel Garcia Y Garcia


Fonte: Site Aleteia