435 perguntas sobre a Santa Missa – parte 11

435 00 200Igreja & Doutrina
Catecismo da Santa Missa

 

Tendo por base um livro, publicado em 1975,

de um autor anônimo do século XIX,

tudo o que você gostaria de saber sobre a Santa Missa.

 

 Parte 11 - Perguntas de 101 a 110

veja também:

Parte 01- Perguntas de 01 a 10

Parte 02- Perguntas de 11 a 20

Parte 03- Perguntas de 21 a 30

Parte 04- Perguntas de 31 a 40

Parte 05- Perguntas de 41 a 50

Parte 06- Perguntas de 51 a 60 

Parte 07- Perguntas de 61 a 70 

Parte 08- Perguntas de 71 a 80

Parte 09- Perguntas de 81 a 90

Parte 10- Perguntas de 91 a 100

  

P101Há outras formas de sacrifício?

R. Sim; por extensão, chamamos também de sacrifício, as orações, as esmolas, a obediência, as boas obras, a dor pelos pecados cometidos porque, de certa forma através delas, fazemos uma oblação a Deus por todos estes atos de religião.

P102. Há nas Sagradas Escrituras alguma referência a estas formas de sacrifício?
R. Sim, nas Sagradas Escrituras encontramos inúmeras referências a estas formas de sacrifício, tais como:
1 – “Oferece ao Senhor sacrifícios de justiça” (Sl 4, 6);
2 – “Oferece a Deus um sacrifício de louvore paga ao Altíssimo os teus votos” (Sl, 49, 14);
3 – “Um coração despedaçado pelo arrependimento é o sacrifício que agrada a Deus e que Ele jamais desprezará”(Sl, 50, 19 );
4 – “É um sacrifício saudável observar os mandamentos” (Eccl. 35, 2);
5 – “A obediência é melhor que as vítimas dos insensatos” (Eccl. 4, 17 );
6 – “Não esqueceis a esmola e a beneficência porque Deus se aplaca com estas hóstias” (Heb. 13, 16)

P103Quais seriam os deveres religiosos do homem no estado de inocência, antes do pecado de Adão?
R. Os deveres religiosos do homem naquele estado seriam:
1 – Adorar a Deus como seu Senhor, soberano e absoluto;
2 – Manifestar seu reconhecimento a Deus como seu Criador e autor absoluto de todos os seus bens, e manter sua vida numa perpétua ação de graças, para que Ele conserve e aumente seus benefícios, a cada dia;
3 – Implorar a Deus graças e auxílio com oração humilde, fervorosa e perseverante.

P104Que afirmou Sto. Agostinho sobre os deveres religiosos dos homens se tivessem perseverado naquele estado de inocência?
R. Nesta hipótese, sem mancha de pecado, Sto. Agostinho afirmou que os homens deveriam se oferecer a Deus, como vítimas puras (Cidade de Deus, 1. I, c. 26).

P105. Que conseqüências derivaram do pecado original sobre aqueles deveres religiosos dos homens para Deus?
R. Desde que o pecado nos despojou dos nossos privilégios originais, tornou-se necessário acrescentar, àquelas grandes obrigações religiosas, a obrigação de apaziguar a justiça divina, ultrajada por nosso orgulho e nossa ingratidão, bem como de conhecer mais profundamente nossa miséria e nossa contínua dependência dos socorros celestes, em todas as nossas necessidades espirituais e materiais.

P106Quais são, portanto, as finalidades do sacrifício após a queda do homem?
R. Após o pecado original, as finalidades do sacrifício a Deus são:
1 – adorá-lo;
2 – agradecer as graças recebidas;
3 – implorar a remissão dos pecados;
4 – implorar sua benção.

P107. Por que o homem, após a queda, edificou templos para imolar as vítimas do sacrifício?
R. Porque, no estado de degradação e de miséria em que se encontrou devido ao pecado original, o coração do homem não podia mais servir de altar e vítima. Assim, incapaz de reparar o pecado, apesar da penitência feita, foi preciso pedir à natureza um templo, ou edificá-lo mediante ordem expressa, para sacrificar suas vítimas.

P108Por que a vítima era imolada sobre uma pedra?
R. Porque uma pedra fria, e sem adornos, era menos indigna que o coração do homem, para sustentar a hóstia de propiciação.

P109. Por que se utilizavam outros elementos materiais nos sacrifícios?
R. Simples elementos da natureza, como o sangue de animais, deviam substituir, exteriormente no holocausto, os pensamentos e os afetos do homem culpável, e extrair o mérito da grande vítima do mundo que representavam, bem como a fé dos sacrificadores, elevada à esperança do cordeiro de Deus.

P110. Que nos diz S. Paulo sobre o holocausto destas hóstias ineficazes pela sua própria natureza?
R. S. Paulo nos diz que tais hóstias eram utilizadas como perpétua lembrança da impotência e da nulidade dos homens, imposta até o tempo fixado para o grande restabelecimento, e abolido na plenitude dos tempos, quando apareceu Jesus Cristo oferecendo-se, a si mesmo, em sacrifício, dando ao homem o direito de unir-se a Deus, não somente com um coração puro, como no dia da inocência, como também com um coração redimido, que apresenta um Deus como vítima de adoração, de expiação e de ação de graças.

 

435 01 650 

Baseado em livro de autor anônimo do Século XIX,

publicado em 1975 pela EDICIONES RIALP – Madrid,

NIHIL OBSTAT de D. José Larrabe Orbegozo, Madrid, 27 de outubro de 1975

IMPRIMA-SE: Dr. D. José Maria Martim Patino, Pro-Vigário Geral

Apresentação de Angel Garcia Y Garcia


Fonte: Site Aleteia