435 perguntas sobre a Santa Missa – parte 40

435 00 200Igreja & Doutrina
Catecismo da Santa Missa

 

Tendo por base um livro, publicado em 1975,

de um autor anônimo do século XIX,

tudo o que você gostaria de saber sobre a Santa Missa.

 

 Parte 40 - Perguntas de 391 a 400

veja também:

Parte 1: perguntas de 01 a 10

 

Parte 2: perguntas de 11 a 20

 

Parte 3: perguntas de 21 a 30

 

Parte 4: perguntas de 31 a 40

 

Parte 5: perguntas de 41 a 50

 

Parte 6: perguntas de 51 a 60

 

Parte 7: perguntas de 61 a 70

 

Parte 8: perguntas de 71 a 80

 

Parte 9: perguntas de 81 a 90

 

Parte 10: perguntas de 91 a 100

 

Parte 11: perguntas de 100 a 110

 

Parte 12: perguntas de 111 a 120

 

Parte 13: perguntas de 121 a 130

 

..

Parte 14: perguntas de 131 a 140

 

Parte 15: perguntas de 141 a 150

 

Parte 16: perguntas de 151 a 160

 

Parte 17: perguntas de 161 a 170

 

Parte 18: perguntas de 171 a 180

 

Parte 19: perguntas de 181 a 190

 

Parte 20: perguntas de 191 a 200


Parte 21: perguntas de 201 a 210

 

Parte 22: perguntas de 211 a 220

 

Parte 23: perguntas de 221 a 230

 

Parte 24: perguntas de 231 a 240

 

Parte 25: perguntas de 241 a 250

 

Parte 26: perguntas de 251 a 260

 

..

 

Parte 27: perguntas de 261 a 270

 

Parte 28: perguntas de 271 a 280

 

Parte 29: perguntas de 281 a 290

 

Parte 30: perguntas de 291 a 300

 

Parte 31: perguntas de 301 a 310

 

Parte 32: perguntas de 311 a 320

 

Parte 33: perguntas de 321 a 330

 

Parte 34: perguntas de 331 a 340

 

Parte 35: perguntas de 341 a 350

 

Parte 36: perguntas de 351 a 360

 

Parte 37: perguntas de 361 a 370

 

Parte 38: perguntas de 371 a 380

 

parte 39: perguntas de 381 a 390

 

 

 

P391. Por que os ornamentos dos paramentos litúrgicos são sempre dourados?

R. Os ornamentos dos paramentos são sempre dourados pois esta cor figura todas as classes de cores.

P392. Que lição fundamental a Igreja nos dá através dos seus diversos paramentos litúrgicos?

R. Qualquer que seja o costume estabelecido nesse campo, devemos sempre acatar e reverenciar a Igreja como a esposa de Nosso Senhor Jesus Cristo, de quem se escreveu: “A rainha está à vossa direita, adornada com admirável variedade”.

P393. Que ordena a rubrica do Missal quanto à água?

R. A rubrica do Missal ordena que todos os domingos, antes da Missa, o celebrante, revestido com todos os paramentos sagrados, exceto a casula, deve benzer a água para aspergi-la sobre o povo.

P394. Quando começou essa tradição?

R. A benção e a aspersão da água sobre os fiéis é uma tradição muito antiga. Já S. Basílio, Bispo de Cesárea e Doutor da Igreja, que viveu no século IV, a colocava entre as tradições apostólicas. Além disso, os padres mais antigos da Igreja nos falam dessa água purificada e santificada pelo sacerdote, cuja finalidade, ao aspergi-la sobre o povo, é de purificá-lo e prepará-lo para a santa oblação.

P395. Quais são os elementos utilizados na benção da água?

R. Os elementos utilizados para a benção da água são: água e sal.

P396. Por que se utiliza do sal e da água para a benção?

R. Porque a virtude da água é de lavar, e a do sal é de preservar da corrupção. Ao tomar estes símbolos comuns de pureza e de salubridade, a Igreja os exorcisa, isto é, os ordena, por parte de Deus e pelos méritos da cruz de Jesus Cristo, que não prejudiquem os homens pelo abuso que o demônio poderia fazer deles, e que, pelo contrário, lhes seja útil para a salvação.

P397. Por que a Igreja invoca o poder divino sobre o sal?

R. Para que ele preserve os homens de tudo quanto possa ser prejudicial à salvação, da mesma forma que o profeta Elias lançou sal sobre as águas de Jericó, para torná-las salubres à terra, dizendo da parte de Deus que estas águas não causariam a morte nem a esterilidade. Para isto também são feitos os exorcismos que se fazem sobre a água batismal, para a consagração das igrejas e sobre os objetos inanimados.

P398. Quando a Igreja começou a fazer exorcismos?

R. Os exorcismos remontam à mais antiga era. Tertuliano se refere a eles quando diz que “as águas são santificadas pela invocação de Deus” (De Bapt. C. 40); e São Cirilo afirma mais claramente que é preciso que a água seja purificada e santificada pelo sacerdote (Epístola 70).

P399. Como o sacerdote procede à benção da água?
R. O sacerdote abençoa e mistura o sal na água, reunindo os dois efeitos de purificar e de preservar da corrupção, dizendo: “Faça-se a mistura do sal e da água, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” , fazendo vários sinais da cruz para indicar que só esperamos os efeitos que estes sinais expressam, implorando a onipotência da Santíssima Trindade, pelos méritos da cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo.

P400. Que pede a Deus o sacerdote depois do exorcismo do sal?
R. Depois do exorcismo do sal o sacerdote pede a Deus: “Que sirva este sal a todos quantos o tomem para a saúde do seu corpo e da sua alma, e que tudo o que for tocado por ele se preserve de toda impureza e de qualquer ataque do espírito da malícia”.

435 01 650 

Baseado em livro de autor anônimo do Século XIX,

publicado em 1975 pela EDICIONES RIALP – Madrid,

NIHIL OBSTAT de D. José Larrabe Orbegozo, Madrid, 27 de outubro de 1975

IMPRIMA-SE: Dr. D. José Maria Martim Patino, Pro-Vigário Geral

Apresentação de Angel Garcia Y Garcia


Fonte: Site Aleteia