435 perguntas sobre a Santa Missa – parte 41

435 00 200Igreja & Doutrina
Catecismo da Santa Missa

 

Tendo por base um livro, publicado em 1975,

de um autor anônimo do século XIX,

tudo o que você gostaria de saber sobre a Santa Missa.

 

 Parte 41 - Perguntas de 401 a 410

veja também:

Parte 1: perguntas de 01 a 10

 

Parte 2: perguntas de 11 a 20

 

Parte 3: perguntas de 21 a 30

 

Parte 4: perguntas de 31 a 40

 

Parte 5: perguntas de 41 a 50

 

Parte 6: perguntas de 51 a 60

 

Parte 7: perguntas de 61 a 70

 

Parte 8: perguntas de 71 a 80

 

Parte 9: perguntas de 81 a 90

 

Parte 10: perguntas de 91 a 100

 

Parte 11: perguntas de 100 a 110

 

Parte 12: perguntas de 111 a 120

 

Parte 13: perguntas de 121 a 130

 

..

Parte 14: perguntas de 131 a 140

 

Parte 15: perguntas de 141 a 150

 

Parte 16: perguntas de 151 a 160

 

Parte 17: perguntas de 161 a 170

 

Parte 18: perguntas de 171 a 180

 

Parte 19: perguntas de 181 a 190

 

Parte 20: perguntas de 191 a 200


Parte 21: perguntas de 201 a 210

 

Parte 22: perguntas de 211 a 220

 

Parte 23: perguntas de 221 a 230

 

Parte 24: perguntas de 231 a 240

 

Parte 25: perguntas de 241 a 250

 

Parte 26: perguntas de 251 a 260

 

..

Parte 27: perguntas de 261 a 270

 

Parte 28: perguntas de 271 a 280

 

Parte 29: perguntas de 281 a 290

 

Parte 30: perguntas de 291 a 300

 

Parte 31: perguntas de 301 a 310

 

Parte 32: perguntas de 311 a 320

 

Parte 33: perguntas de 321 a 330

 

Parte 34: perguntas de 331 a 340

 

Parte 35: perguntas de 341 a 350

 

Parte 36: perguntas de 351 a 360

 

Parte 37: perguntas de 361 a 370

 

Parte 38: perguntas de 371 a 380

 

parte 39: perguntas de 381 a 390

 

parte 40: perguntas de 391 a 400

 

 

P401. Que diz o sacerdote após o exorcismo da água?
R. Diz ele: “Derramai, Senhor, a virtude da vossa benção sobre este elemento preparado para as diversas purificações; a fim de que receba vossa criatura, servindo aos vossos mistérios, o efeito da vossa divina graça para lançar os demônios e as enfermidades; que tudo quanto seja por ela tocado nas casas e nos demais lugares dos fiéis, se preserve de toda a impureza e de todo o mal; q ue afaste desta água todo o sopro pestilento, todo o ar corrompido, que a preserve de todo o ataque do inimigo oculto, e de tudo quanto possa ser danoso à saúde e ao repouso dos que lá vivem; e, finalmente, que se conserve contra todo o tipo de ataques esta saúde que pedimos por invocação do vosso santo nome”.

P402. Que proveito podemos tirar dos ensinamentos acima?
R. Os ensinamentos acima nos convidam a usar da água benta na igreja, bem como a conservá-la em nossas casas, para dela nos servir nas tentações, ao deitar, ao despertar, para pedir o auxílio de Deus em todas as circunstâncias de perigo, quer para o nosso corpo como para nossa alma.

P403. Por que o sacerdote asperge o altar e o santuário?
R. O sacerdote asperge o altar e o santuário para afastar o que poderia perturbar o recolhimento dos ministros. O sacerdote asperge a si mesmo e ao povo para dispô-lo a participar com ele das graças que ele pediu para a Igreja na benção da água, e diz em voz baixa o salmo Miserere, porque, para obter essas graças, é preciso manter a atitude de arrependimento e penitência expressa neste salmo.

P404. Como responde o povo a este salmo?
R. O povo canta somente o primeiro versículo do Miserere, acrescentando, antes e depois, esta antífona: Vós me tocareis, Senhor, com o hisopo, e serei purificado: me lavareis e ficarei mais branco que a neve. .

P405. O que é o hisopo?
R. Hisopo é o menor arbusto; suas folhas, escuras e esponjosas, são próprias para reter a água para a aspersão, e sua propriedade, que é de purificar e secar os maus tumores, é feita como um sinal muito apropriado da purificação do corpo e da alma.

P406. O hisopo foi sempre utilizado para a aspersão?
R. Sim. No Antigo Testamento havia a aspersão do sangue do cordeiro nas portas dos israelitas como hisopo (Ex 12, 22), bem como o sangue e cinzas da vaca e da água para purificar da lepra. Mas o profeta e a Igreja visavam mais a aspersão do sangue de Cristo, do qual aquelas eram figuras na lei antiga. Por isso devemos pedir nesta cerimônia, a aspersão do sangue de Cristo, ou seja, a aplicação dos méritos deste preciosíssimo sangue, o único que pode apagar os nossos pecados e nos preservar de todos os males.

P407. Como o sacerdote termina esta oração?
R. O sacerdote conclui a oração dizendo:”Ouvi-nos, Senhor, Padre Onipotente, Deus eterno; dignai-vos enviar dos céus vosso santo anjo para que governe,vigie, proteja, visite e defenda a todos os que estão neste lugar. Por Nosso Senhor Jesus Cristo”.

P408. A que anjo o sacerdote se refere naquela oração?
R. É o mesmo anjo que Deus enviou a Tobias e que o preservou contra todos os ataques do espírito maligno que havia matado os sete maridos de Sara, conduzindo-o são e salvo.

P409. Que significa “Procissão”?
R. A palavra procissão vem do termo latino procedere, que significa marchar, ou ir adiante. Por procissão se entende a marcha, o caminhar, que fazem o clero e o povo rezando para determinados fins religiosos, levando à frente a cruz de Cristo, que é o caminho e guia dos fiéis.

P410. Quais são as origens das procissões?
R. Seguindo a tradição do Antigo Testamento, havia procissões para levar a arca santa de um lugar para outro; no século VI vemos o costume de celebrar-se Missa nos túmulos de mártires, ou em lugares de devoção; fazia também procissões para benzer cemitérios e lugares próximos de igrejas.

435 01 650 

Baseado em livro de autor anônimo do Século XIX,

publicado em 1975 pela EDICIONES RIALP – Madrid,

NIHIL OBSTAT de D. José Larrabe Orbegozo, Madrid, 27 de outubro de 1975

IMPRIMA-SE: Dr. D. José Maria Martim Patino, Pro-Vigário Geral

Apresentação de Angel Garcia Y Garcia


Fonte: Site Aleteia