Quaresma e Cinzas: Purificação e Renascimento

cinzas00 200

Exercícios Quaresmais

Com a celebração da Quarta-feira de Cinzas, iniciamos solenemente o tempo quaresmal. Trata-se de um tempo especial de oração, penitência, caridade, no qual os fiéis trilham uma estrada de conversão vital, no corpo e no espírito. 

 

A Quaresma tem grande relevância na espiritualidade cristã-pascal, uma vez que, pelos exercícios de conversão, preparamos nossa vida para celebrarmos mais plenamente o mistério pascal.

 

cinzas01 200Nas práticas religiosas, o ritual das cinzas é bastante comum. Elas representam o aniquilamento das coisas vivas. Árvores e animais tornam-se cinzas, quando tocados pelo fogo. Por causa dessa sua dimensão, as cinzas tornaram-se, em tantas religiões, um elemento natural de penitência e de conversão. Nessa correlação, o fogo simboliza a força divina que transforma os corações e renova a existência, destruindo as forças do mal e trazendo vida nova.

 

cinzas02 200Na tradição judaica, as cinzas são convite à conversão e ao arrependimento. Mas encontramos esse símbolo, também, nas práticas religiosas indígenas e afro-descendentes. Na tradição do povo de Jesus Cristo, o ritual das cinzas atua como convocação à mudança de vida. Antes de tudo, elas são a consequência do pecado, pois os pecados nos conduzem à morte, que nos transforma em cinzas. Esta frase nos será recordada, para lembrarmos nossa condição de pecadores: “Lembra-te de que és pó e ao pó tornarás” (Gn 3,19). Quando recordamos nossa condição de pecadores, somos convidados à conversão. Esta nos projeta ao amor de Deus e nos garante a redenção dos males e a imersão na sua graça santificante. A Quaresma, tempo de transformação radical da forma de viver, está no ápice do catecumenato, que prepara os neófitos para receber os sacramentos cristãos na Vigília Pascal.

 

cinzas03 200 .......... cinzas04 200

A participação dos fiéis durante a quaresma deve ser realizada com esmero, fazendo que a espiritualidade da conversão seja profunda e intensa, servindo-se da própria vida como “pano de fundo” da conversão. A quaresma convida para a mística do arrependimento, da conversão e do perdão. Nos exercícios quaresmais professamos que é morrendo que se vive para a vida eterna.

 

Texto original do Pe. Antonio S. Bogaz, 1977

Texto levemente editado por frei Mason para esta publicação na internet