Encerramento do Ano da Santidade 2017

santidade00 200Ordem dos Agostiniaos Recoletos
Roma, Itália

 

A Ordem dos Agostinianos Recoletos (OAR) encerra as celebrações oficiais do ANO DA SANTIDADE 2017 e renovando o convite à santidade, celebrada vivencialmente todos os dias até o fim da vida.

Consagrados pela profissão dos conselhos evangélicos, cada religioso é chamado a viver a santidade na Igreja com fidelidade ao carisma recebido e a partir da coerência de vida, da disponibilidade para evangelizar e do serviço aos mais pobres.

Leia e reflita o texto que o Prior Geral da Ordem, frei Miguel Miró Miró, enviou por ocasião do encerramento do Ano da Santidade 2017:

 

santidade02 650

encerra01 650

 

Prot. CG 197/2017 

A TODA A FAMÍLIA AGOSTINIANO-RECOLETA

 

  

Queridos irmãos e irmãs:

 

O Ano da santidade foi uma bênção para a Ordem e para toda a Família agostiniano-recoleta. Os depoimentos de alegria, esperança, solidariedade e comunhão foram percebidos nos diversos países e ministérios nos quais estamos presentes. Falamos de santidade os irmãos enfermos que contemplam a cruz com amor; os jovens que desejam entregar sua vida a Cristo; os que não se deixam vencer pelo desalento e transmitem esperança; os que  rezam e  sem medo  dão depoimento de  sua fé;  os que  acolhem a todos com singeleza; os que propiciam o diálogo e o perdão; os que dia a dia rezam e trabalham com amor e alegria. Falam-nos de santidade as irmãs contemplativas que com sua oração tornam fecunda nossa missão. O Senhor esteve conosco!

 

 

1. ENCERAMENTO DO ANO DA SANTIDADE

 

Convocou-se o Ano da Santidade com o desejo de “reavivar o chamado à santidade e de abrir-nos à ação do Espírito, que renova sem cessar nosso coração e o enche com a alegria do Evangelho”1. Agora ao conclui-lo, unamos nossas vozes e nossos corações para dar graças a Deus e ponhamo-nos cada um com sinceridade adiante do Senhor para ver com humildade como estamos acolhendo seus dons.

 

Todos, desde os mais jovens até os mais idosos, pudemos experimentar o chamado do Espírito a redescobrir o carisma agostiniano recoleto como dom. Dia a dia o Espírito acordava em nossos corações os desejos de viver, de amar e de anunciar o Reino de Deus.

 

O encerramento do Ano da Santidade terá lugar no dia 13 de novembro, festa de Todos os Santos da Ordem. A Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos concedeu-nos poder, neste ano, celebrar a festa como solenidade no domingo, dia 12 de novembro, e em todos os nossos ministérios poderemos celebrar uma missa com o formulário de Todos o Santos da Ordem2. Também a Penitenciaria Apostólica concedeu a indulgência plenária para esta festa3.

 

Peço aos religiosos que prestam seu serviço no apostolado ministerial que no domingo, 12 de novembro, exortem a todos os fiéis à santidade e lhes proponham o exemplo daqueles irmãos nossos que a Igreja reconhece como santos ou veneráveis pelo martírio ou por suas virtudes na doação de sua vida. Os colégios tenham também no dia 13 de novembro uma celebração e organizem algum ato no qual se dê conhecer nossos santos. O Secretariado de Espiritualidade oferecerá recursos e subsídios para as celebrações.

 

Dos diversos países chegaram-nos iniciativas de celebrações comuns para o ato de encerramento. Convido a que nas cidades ou regiões em que há várias comunidades tenham uma celebração comum no dia 13, sem que por isso se deixe de celebrar em seus ministérios no dia 12.

 

  

2. PROCESSO DE REVITALIZAÇÃO.

 

Neste ano, seguindo as decisões do Projeto de vida e missão da Ordem iniciamos o processo de união de províncias com o fim de impulsionar a revitalização da Ordem. A revitalização se dará na medida em que vivamos o carisma recebido e respondamos com santidade e criatividade ao chamado do Senhor. Não podemos revitalizar a Ordem se não mudamos a nós mesmos e não abrimos nosso coração ao Espírito de Deus e às necessidades dos demais.

 

As comissões interprovinciais se reuniram para preparar seus respectivos projetos de vida e missão e capítulos provinciais. Neste processo podemos ter a tentação de pensar que o problema é do outro e que são os outros os que têm que mudar e se esforçar. Todos temos que nos empenhar para sermos “profecia viva de comunhão”4, como nos pedia o Papa Francisco. O profeta autêntico tem uma profunda experiência de Deus; e coerente e com sua vida corrobora o que diz; suas palavras e sua vida mostram a liberdade do Espírito e rompe os moldes que impedem ver o horizonte e, com esperança, propor juntos novos caminhos.

 

  

3. NOVAS PROPOSTAS

 

O carisma que recebemos é dom de Deus para a Igreja. De todos os caminhos possíveis, o Senhor nos chama a ser agostinianos recoletos, a viver em fraternidade, a levar a cabo a missão da Ordem. Hoje, mais que nunca, temos de buscar a unidade e a comunhão, trabalhar a partir de um projeto comum e valorizar como um dom a diversidade.

 

Como fruto deste Ano da Santidade, e dada a situação atual da Ordem, necessitamos reafirmar a identidade carismática, a espiritualidade e o serviço à Igreja. Surgem iniciativas que vão abrindo caminho em nossa vida e missão. Com visão ampla e com critérios de fé discerniremos novos caminhos suscitadores de esperança.

 

O Secretariado de Formação e Espiritualidade oferece subsídios para os retiros que esperamos que cheguem pontualmente a todas as comunidades. Por sua vez, o Instituto de Espiritualidade e História prepara documentos para a formação permanente segundo o lema de cada ano e oferece-os na Web da Ordem. Também segue sendo editada a Coleção Lâmpadas Ardentes que apresenta breves biografias de irmãos e irmãs da Família agostiniano-recoleta.

 

O Equipe de Revitalização (ERO) continua elaborando materiais para os exercícios espirituais e oficinas de oração; segue também dando cursos de capacitação e oferecendo oficinas para educar na interioridade5.

 

Os Centros de Espiritualidade Agostiniano-Recoleta (CEAR) são organismos de formação e vivência espiritual para religiosos e leigos, que desde o nosso carisma promovem a formação humana, a espiritualidade agostiniano-recoleta, o acompanhamento, o apostolado social e a formação de líderes.

 

Para impulsionar a caridade solidária nas comunidades e ministérios da Família Agostiniano-Recoleta, a Comissão de Apostolado Social vai dando passos para a criação da Rede Solidária Agostiniano-Recoleta (ARCORES), com o fim de obter que em cada país haja uma equipe coordenadora para facilitar e promover as iniciativas solidárias e a busca de recursos.

 

O espírito missionário manifesta-se naqueles lugares de especial necessidade de evangelização nos quais está a Ordem. Agradecemos a disponibilidade dos religiosos que se ofereceram para uma nova missão em Antilla (Cuba). A Província Santo Ezequiel constituiu duas comunidades em áreas pobres de Filipinas, uma em Tandag e outra em Pangasinan, e se dispõe a iniciar sua presença em um novo país da Ásia.

 

Por sua vez, o Secretariado Geral de Apostolado apresenta propostas para que, na diversidade de contextos sociais e culturais, nossas paróquias e centros educativos sejam evangelizadoras a partir da nossa espiritualidade e vida fraterna. A seção de apostolado educativo com o Projeto Educativo Institucional (PEI) deseja impulsionar a corresponsabilidade e a formação na pedagogia agostiniana e o espírito da Ordem da diretoria dos centros, do professorado e dos agentes de pastoral.

 

Exorto a todos os irmãos da Ordem e a toda a Família Agostiniano-Recoleta a viver com renovada esperança e a oferecer com generosidade os dons que recebemos, valorizando em todo momento o que oferece o irmão e em ser, de verdade, criadores de comunhão.

 

Encomendamo-nos a Santa Maria, Mãe da Consolação, a santo Agostinho e a todos os santos da Ordem, para que, abertos à graça do Espírito, nos sintamos chamados à santidade e anunciemos o Evangelho com alegria.

  

Roma, 13 de outubro de 2017.

 

encerra02 650