11 de outubro: Beato Elias Socorro Neves

neves00a
neves01 250 ...

Frei Elias mostrou grande devoção pastoral

 

 

e viveu um corajoso testemunho da fé Cristã.

 

 

Partilhando das provações junto com seu povo, apesar das persegução do governo mexicano, ele continuou a ajudar suas ovelhas espiritualmente e materialmente, a ponto de morrer por elas.

 

 

"Todo sacerdote que prega a Palavra de Deus

em tempo de perseguição não têm escapatória:

morrerá como Jesus na Cruz com as mãos atadas."


Padre frei Elias Socorro Neves

 linha 650

 

O beato Elias nasceu em Yuriria, México, no dia 21 de setembro de 1882. Ele era filho de Ramón e Rita, modestos agricultores de profunda religiosidade.

 

Desde menino manifestava seu desejo de ser sacerdote. Porém, quando Elias tinha 12 ano seu pai foi assassinado e ele teve que deixar os estudos para obter o ganha-pão da família.

 

Em 1904 ele foi admitido no seminário agostiniano de Yuriria. Os anos que ficara sem estudar foram enfrentados com garra e esforço. As dificuldades foram superadas e, movido pela sua filial devoção a Maria, professou em 1911 e trocou de nome: de Mateus Elias Neves passou a se chamar Elias Socorro Neves.

 

Ele foi ordenado sacerdote em 1916 e exerceu suas atividades em diversas localidades. Em 1921 foi nomeado vigário paroquial de um povoado muito pobre: Canhada. Neste lugar, escasso de recursos econômicos, desprovido de serviços sanitários e de escola pública, frei Elias não se limitou a dar somente assistência espiritual a seu povo.

 

Em 1926 chega a ordem governamental que obriga os sacerdotes e religosos católicos a abandonarem as comunidades rurais e transladarem-se aos grandes núcleos hurbanos.

 

Frei Elias Socorro Neves, então com 44 anos, apesar de seu temperamento tímido, decide desobedecer as ordens. Nega-se a abandonar sua gente, que, sem ele, perderia a tão necessitada assistência espiritual e humanitária. A ajuda do frei sacerdote era para os camponeses uma das poucas riquezas das quais ainda podiam sentir-se orgulhosos.

 

O religioso agostiniano se escondeu em uma gruta de uma montanha. Nos momentos em que previa a ausência dos federais, descia até seu povoado para celebrar a Eucaristia e administrar os sacramentos.

 

Porém, em uma manhã, depois de haver levado esta terrível vida durante 14 meses, cruzou com um destacamento de soldados. Ele seguiu seu caminho como se nenhum perigo existisse. Porém, ele não se deu conta de que por debaixo de suas roupas de camponês se podia ver o hábito que utilizava em seus ministérios.

 

Os soldados o detiveram imediatamente e o submeteram a um interrogatório que foi muito breve pois o frei Elias confessou imediatamente seu crime: ser sacerdote. Levaram-no a Canhada onde a população recebeu com terror a notícia. Um dos camponeses paroquianos começou a negociar com o exército sua libertação. Estavam dispostos a aceitar qualquer condição. Porém, não surtiu efeito.

 

Enquanto estava na prisão aproveitou para falar sobre as grandes questões da existência humana com dois oficiais. Um deles havia manifestado publicamente seu desejo de comer "peles de padre'.

 

Na manhã de 10 de março de 1928, militares e prisioneiros se puseram a caminho em direção do pequeno centro de Cortázar. Na primeira etapa, o capitão, frente ao pelotão, deu a ordem de fusilar os dois acompanhantes que estavam com frei Elias. Depois de haverem se confessado, morreram gritando "Viva Cristo Rei".

 

Na etapa seguinte, aos pés de uma frondosa árvore, quando já restava pouco para chegar a Cortázar, o capitão se dirigiu ao padre Elias dizendo:

 

"Agora é a sua vez. Vamos ver se morrer é como rezar Missa".

 

No que frei Elias respondeu:

 

"Dissestes a verdade, pois morrer pela religião é um sacrifício grato a Deus".

 

O frei Elias então pediu um momento de recolhimento e depois entregou seu relógio ao capitão, deu a benção aos soldados que se ajoelharam para recebê-la, e começou a rezar o ato de fé enquanto ao fundo se escutava o ruído das armas que se preparavam para disparar. Suas últimas palavras também foram "Viva Cristo Rei!".

 

O frei Elias Socorro Neves foi beatificado juntamente com a Madre Maria Teresa Fasce, agostiniana contemplativa, pelo papa João Paulo II, aos 12 de outubro de 1997.

 

 

"Morrer pela religião


é um sacrifício grato a Deus
"

 

Frei Elias Socorro Neves

 

...

neves02

Como 
em muitos
países
latino-americanos,
no México
(em amarelo,
no mapa)
houve
perseguições
à Igreja e
martírio de
muitos fiéis

 

 

neves03

Frei Elias
nasceu
em Yuriria
(região
central do
México) , 
cidade cujo
seminário
agostiniano 
o acolheu
quando ele
tinha 22
anos

 

neves04

O Papa
João Paulo II
beatificou
frei Elias...

neves05

... juntamente
com a beata
agostiniana
contemplativa 
Maria
Teresa
Fasce,
cuja memória
é celebrada
no dia 12
de outubro

 

 linha 650

 

neves00b .......... neves00c

 

Romanos 12, 1-2

 

Pela misericórdia de Deus, eu vos exorto, irmãos, a vos oferecerdes em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus: este é o vosso culto espiritual. Não vos conformeis com o mundo, mas transformai-vos, renovando vossa maneira de pensar e de julgar, para que possais distinguir o que é da vontade de Deus, isto é, o que é bom, o que lhe agrada, o que é perfeito.

 

Ó Deus, que concedestes ao noso irmão, o beato Elias Socorro Neves, a fortaleza para poder selar com o martírio sua vida consagrada a Vós, concedei-nos, por sua intercessão, dar testemunho com nossa vida da fé que professamos.

 

Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

Amén.

 

linha 650